TOP TV WEB

Covid-19 Pode Encobrir Diagnóstico De Câncer De Pulmão

  Covid-19 Pode Encobrir Diagnóstico De Câncer De Pulmão

Sintomas semelhantes, medo de infecção e até dificuldade no acesso ao tratamento pode aumentar a letalidade da doença, que já é alta

(Dr.Carlos Gil Ferreira-Photo Divulgação)

O câncer de pulmão é uma doença com alto índice de letalidade por causa da rápida evolução,se comparada com outros tipos de câncer e pelo diagnóstico que, na maioria dos casos, só acontece quando a doença já está em estágio avançado. A pandemia causada pelo novo coronavírus pode agravar ainda mais essa situação ao provocar um atraso em consultas e realização de exames que, para o câncer de pulmão, pode significar chances bem menores de cura.

Um estudo realizado pela instituição Cancer Research UK, em Londres, no Reino Unido, mostra que o número de encaminhamentos urgentes de câncer de pulmão foi o menor entre os tipos de câncer desde abril e estima-se que pelo menos 16 mil pacientes deixaram de ser encaminhados para exames diagnósticos de câncer de pulmão desde março. Segundo Carlos Gil Ferreira, oncologista torácico e presidente do Instituto Oncoclínicas, o fato das duas doenças apresentarem sintomas respiratórios pode ser desafiador. “Sintomas como tosse persistente, falta de ar, cansaço e falta de energia podem ocorrer tanto em pacientes com Covid-19 como naqueles com câncer de pulmão”, diz o médico.

No caso de pacientes que já têm o diagnóstico da doença, é possível que haja dificuldade no acesso aos tratamentos ou receio de exposição à Covid-19. O oncologista lembra que é preciso ter muito cuidado pois pacientes com câncer de pulmão em geral têm outras comorbidades e muitos são tabagistas, fatores que podem ser agravantes no caso de uma infecção de corona vírus. “É fundamental procurar ajuda e conversar com o médico para que seja decidido em conjunto o melhor procedimento”, afirma o doutor Gil.

Ainda segundo o especialista, durante a pandemia de Coronavírus muitos pacientes deixaram de fazer exames, o que causou um retardo nos diagnósticos. “Por outro lado, foram descobertos casos de câncer de pulmão em pessoas que não se imaginavam com a doença,mas fizeram exames de imagem do tórax por conta do Covid19 e anteciparam o diagnóstico”.

Sobre Dr. Carlos Gil Ferreira

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1992) e doutorado em Oncologia Experimental - Free University of Amsterdam (2001). Foi pesquisador Sênior da Coordenação de Pesquisa do Instituto Nacional de Câncer (INCA) entre 2002 e 2015, onde exerceu as seguintes atividades: Chefe da Divisão de Pesquisa Clínica, Chefe do Programa Científico de Pesquisa Clínica,Idealizador e Pesquisador Principal do Banco Nacional de Tumores e DNA (BNT), Coordenador da Rede Nacional de Desenvolvimento de Fármacos Anticâncer (REDEFAC/SCTIE/MS) e Coordenador da Rede Nacional de Pesquisa Clínica em Câncer (RNPCC/SCTIE/MS). Desde 2018 é Presidente do Instituto Oncoclínicas e Diretor Científico do Grupo Oncoclínicas. No âmbito nacional e internacional foi Membro Titular da Comissão Científica (CCVISA) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). No âmbito internacional é membro do Career Development and Fellowship Committee e do Bylaws Committee da International Association for the Research and Treatment of Lung Cancer (IALSC); Diretor no Brasil da International Network for Cancer Treatment and Research (INCTR); Membro do Board da Americas Health Foundation (AHF). Editor do Livro Oncologia Molecular (ganhador do Prêmio Jabuti em 2005) e Editor Geral da Série Câncer da Editora Atheneu. Já publicou mais de 100 artigos em revistas internacionais.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem