TOP TV WEB

Deo Garcez Conta A Sua Trajetória Artística

 Deo Garcez Conta A Sua Trajetória Artística

O ator e diretor Deo Garcez conta toda a sua trajetória em entrevista e relata toda a sua experiência de 40 anos de carreira na arte


(Deo Garcez-Photo Divulgação)

Deolindo Rodrigues Garcês,mais conhecido como o ator e diretor Deo Garcez,nascido em São Luís do Maranhão,é ator desde dos 11 anos de idade,e a sua paixão começou quando foi com a turma da escola onde estudava ,ver uma peça teatral infantil.

Ele viu que era aquilo que tanto queria.Tanto que procurou a bilheteira do teatro para apresentar o diretor que fez ele ingressar pela primeira vez os pés nos palcos,no Teatro Arthur Azevedo,em São Luís do Maranhão,atuando no Grupo Tema -Teatro Experimental do Maranhão.

Depois de sua trajetória em sua terra natal,Deo se muda com a sua família para Brasília,em busca de novos trabalhos,e foi aí que ele correu atrás de seu maior sonho e se formou em bacharelado em interpretação teatral pela Faculdade de Teatro Dulcina de Moraes,e chegou a concluir também a sua Licenciatura Plena em Artes Cênicas.

E não parou por aí.Deo se muda para o eixo Rio e São Paulo,levando consigo um vasto portfólio artístico,de trabalhos feitos em São Luís do Maranhão e Brasília.Conquistou vários diretores.

A sua primeira aparição na televisão,foi na  novela "Chica da Silva,da extinta Rede Manchete que foi um maior sucesso.De onde ele fez o personagem o mucamo Paulo,que lhe abriu as portas.Em seguida surgiu vários outros trabalhos que também se destacou como na novela "O Cravo e a Rosa",de onde atuou na pele de" Ezequiel dos Anjos"da Rede Globo,"A Escrava Isaura"de onde atuou o personagem "André"e na "Prova de Amor",de onde viveu o personagem "Xande"da Rede Record,e na "Carrosel",de onde viveu o Sr Morales,do SBT.

Deo agora está na novela "Salve-se Quem Puder",da Rede Globo ,de onde vive o Dr Emir.


(Peça Luiz Gama-Uma Voz Pela Liberdade-Photo:Imagem)


Em entrevista Deo Garcez conta toda a sua trajetória artística:

 

1)Deo me conte como foi descobrir essa paixão. 

O que é ser ator?


Resposta:Eu descobri mesmo essa paixão pelo teatro,foi em São Luiz do Maranhão,a minha cidade natal,quando eu tinha 11 anos de idade.A minha escola foi levada para assistir um espetáculo do diretor Reynaldo Faray,uma pessoa saudosissima falecida e importantíssima na cultura em especial,no teatro,e na dança de São Luiz do Maranhão.Do Maranhão como um todo o estado.E aí eu assisti aquele espetáculo infanto juvenil,dirigida por ele,do grupo Tema-Teatro Experimental do Maranhão.E me apaixonei pelo teatro e foi uma paixão à primeira vista.Quando acabou o espetáculo,eu me apresentei a bilheteira que me apresentou à uma pessoa do elenco e na sequência,esse ator  me apresentou o Benê Freitas,que me apresentou o próprio Reynaldo Faray.Que me disse assim "Nossa você é muito jovem,garoto,mas tudo bem,eu vou iniciar um curso de iniciação ao teatro,vou ministrar aula daqui alguns dias,e tá aqui o telefone,serão 4 meses de curso,e se tudo der certo,ao final do curso a gente estreia aqui no teatro, Arthur Azevedo".Foi no teatro onde assisti a

peça dele, do importantíssimo e maravilhoso que foi exatamente assim que aconteceu.Eu fiz curso de iniciação teatral com ele e ali estreie 4 meses depois o espetáculo "Flicts" do Ziraldo,no próprio teatro Arthur Azevedo.E foi a minha própria estreia.E dali não parei mais,sou ator desde então,fiz teatro até aos meus 18 anos,em São Luiz,e minha família foi para Brasília e por lá eu continuei fazendo teatro,foi quando eu descobri a faculdade que tinha recentemente inaugurado,e foi na Faculdade de Teatro Dulcina de Moraes,onde eu fiz o vestibular para bacharelado em interpretação teatral e na sequência fiz a Licenciatura Plena em Artes Cênicas,ou seja, sou professor de teatro também.Mas no curso de bacharelado em interpretação teatral,eu tive a felicidade,a honra e o privilégio de ter sido aluno da importantíssima Dulcina de Moraes,uma saudosissima atriz e mestre, tão importante para o teatro brasileiro,figura mais importante do teatro brasileiro do século xx no Brasil, é isso afirmou

inclusive a própria Fernanda Montenegro.


2)Você enfrentou várias dificuldades na infância e na adolescência,como vc lidou com as dificuldades para poder fazer o que gosta?


Resposta: Dificuldades na minha infância e na adolescência,para lidar com isso e como foi para fazer teatro,eu venho de uma origem muito humilde,de família pobre,pais separados,e minha mãe casou

novamente depois de ter se separado do meu pai.Eu comecei fazer teatro aos 11 anos,e a dificuldade era realmente financeira,mas também tem o fato do  preconceito da sociedade com relação ao fato de alguém ser ator ou atriz.Sempre houve esse preconceito, já agora não é bem assim.Então,pelo contrário as pessoas da família,os pais incentivam os filhos para que sejam atores e atrizes.Mas naquela época havia 

pra mim dificuldade financeira e a questão do preconceito na minha família houve um certo preconceito logo de início,devido a preocupação realmente natural com um filho que queria investir a sua carreira pela certa dificuldade financeira que era.O retorno financeiro e o preconceito em si sempre existiu naquela época com relação a alguém a ser ator ou atriz,só que a minha mãe especialmente percebeu o quanto era importante pra mim,e percebeu lógico o meu talento e minha capacidade,e naturalmente ela já foi me dando total incentivo,tanto que tem orgulho da minha trajetória artística.Não só ela como toda a minha família.


3)Como foi essa expectativa de trabalhar pela primeira vez na televisão no canal da TV Manchete?


Resposta:Tive uma expectativa muito grande, porque eu desde de pequeno,quando comecei a fazer teatro,eu já via televisão e assistia novela.E era apaixonado e não perdia várias delas.O fato de assistir 

aquelas novelas me deu e despertou em mim um interesse muito grande de ser ator, então, depois de formado e depois de anos na carreira de ator,depois da faculdade,e tudo mais,eu mesmo resolvi vim pro Rio e investir nisso,na carreira de televisão,ator de televisão,e descobri experimentar novas linguagens no caso a interpretação para a TV.E ao chegar no Rio depois de anos em Brasília,eu investi fortemente nisso,na Rede  Globo e na Rede Manchete.Na Rede Manchete eu tive a primeira oportunidade que foi exatamente de fazer uma novela inteira, porque pela primeira vez que apareci na televisão,foi através do Você Decide na Rede Globo.

E fiz alguns Você Decide e também várias Linha Direta e participação na novela Quatro Por Quatro e até que surgiu um teste pra fazer na novela Chica da Silva.

A expectativa sempre foi a maior por ter investido de fato nisso.Investi o meu tempo,minha vida, através dos meus estudos, então,quando eu cheguei no Rio,eu já tinha uma carreira  de ator de teatro e também pelo fato quando cheguei no Rio,eu fiz cursos com Tizuka Yamasaki,diretora de TV e Cinema,com o Wolf Maya,com o Atílio Riccó e a Ajax Camacho também diretor de TV.Então,eu me preparei tecnicamente para fazer televisão,e minha expectativa  era grande,eu investi nisso e felizmente tive o reconhecimento,através do qual o teste que fiz para fazer a novela Chica da Silva,do Walter Avancini,que me aprovou para fazer o mucamo Paulo,e que felizmente atingiu as minhas expectativas  naquela época de trabalhar na Rede Manchete.E essa expectativa foi muito grande,porque investi fortemente nisso.Eu ia aos estúdios e me apresentei pessoalmente bem antes de fazer o teste do Avancini para a Chica da Silva,e foi  nos corredores que eu encontrei o próprio diretor Walter Avancini que me disse "O que você tá fazendo aqui garoto?e eu respondi "eu vim aqui tentar falar com o senhor para ter uma oportunidade e tudo",disse ele "olha por enquanto não tem, gosto de você,gosto do seu jeito,um dia a gente vai trabalhar junto".

Então,isso alimentou muito a minha expectativa e não deixei de investir nisso, até que surgiu o teste um tempo depois para a Chica da Silva,e ele me aprovou,e foi uma expectativa muito grande em investimento,eu investi na Manchete e consegui atingir o meu objetivo naquele momento.


4)Surgiu outros papéis que você foi se destacando como ator,me conte como foi para viver cada personagem?


Resposta:Eu nunca tive preconceito com tamanhos de papéis de que recebia,tanto que na Chica da Silva,que foi o meu primeiro personagem,o mucamo Paulo,nas primeiras cenas,que eu recebi,ele entrava mudo 

e saía calado,mas eu me dedicava de corpo e alma,assim estudando muito em casa, então eu procurei fazer a diferença, através desse meu empenho e de minha dedicação.O mucamo Paulo foi um papel 

em que me destaquei bastante por ter  a sorte de ter entrado numa novela de sucesso.A novela Chica da Silva estava bombando já nos primeiros capítulos,e eu entrei no capítulo 30 e consegui ali um reconhecimento 

tanto do diretor,quanto do autor.O meu personagem foi crescendo e se tornou um dos protagonistas de uma das tramas,e aí veio Mandacaru,que teve  também destaque,eu fiz um personagem totalmente diferente do mucamo Paulo.Era novela de época e também tive o reconhecimento e isso é maravilhoso é um exercício muito grande, enriqueci muito fazendo, porque a gente sempre aprende e acaba aprendendo muito com os personagens com os quais interpreta.

Depois disso veio o Cravo e a Rosa na Rede Globo,onde eu fiz ó Ezequiel,um Dante,um cara inclusive culto,que estudou em Bordéus, Paris,rico e totalmente o oposto dos que eu havia feito antes,diferente do mucamo Paulo e do cangaceiro godê de Mandacaru.Isso me permitiu um 

destaque até porque era um papel que normalmente os autores e diretores não convidam um ator negro  para fazer,e a gente sabe que existe preconceito com relação a cor e isso tá aí infelizmente até hoje.

Mas o Ezequiel é um cara por ser um cara negro,era um cara rico,culto, chique e elegante, enfim,foi um destaque,e também isso para mim,houve um diferencial.

Na sequência veio o Canavial de Paixões,no SBT.Eu fiz um personagem totalmente diferente dos demais,eu fiz um operário de uma fábrica,numa novela contemporânea,sendo que as outras eram de época,tanto a Chica da Silva,quanto a Mandacaru e quanto o Cravo e a Rosa.Foi um desafio pra mim e consegui também destaque neste sentido de fazer um homem comum numa novela de sucesso que reprisou algumas vezes, aliás, diga-se de passagem,todas as novelas que eu fiz reprisaram até 5 vezes.A Chica da Silva foi vendida para o mundo inteiro e a Escrava Isaura para mais de 40 países.

Depois do Canavial de Paixões veio a Escrava Isaura, na Rede Record,que estava retomando o núcleo de teledramaturgia junto com o meu personagem o escravo André,que foi imbatível,um personagem que 

me destacou bastante no meio televisivo,no mercado de televisão no Brasil.E isso é maravilhoso!É uma novela de grande sucesso,com um personagem rico em termo psicológico,e de uma importância muito grande na trama.Eu era um dos protagonistas.

No lançamento  da novela ,em São Paulo,o Herval Rossano,chegou para toda a imprensa ,a Revista Veja,Folha de São Paulo,O Estadão,todas as revistas de TV e todos os veículos de internet inclusive ali presente e disse "Nessa novela não tem somente um protagonista", aí citou "Mayara Magri, Ewerton de Castro,Rubens de Falco, Patrícia França,mais também

tem o ator Deo Garcez",e me elogiou, enfim,e isso é maravilhoso,e eu tive destaque muito grande na verdade, hoje posso dizer . É o personagem no

qual eu tenho mais destaque,dentre as outras novelas que eu já fiz.

Depois veio as outras novelas na Rede Record,sob a autoria do Thiago Santiago,em Prova de Amor,eu fiz o Dr Alexandre, que era advogado e se tornou juiz durante a novela.

E esse outro destaque normalmente para atores e atrizes não é corriqueiro, não acontece sempre de oferecer e de chamarem atores negros para fazerem personagem do tipo esse que eu falei agora, "juíz e  advogado",a maioria são personagens subalternos e isso é um destaque é um diferencial que me deu também uma oportunidade de mostrar mais uma vez o meu talento.


5)Você possui uma peça teatral "Luiz Gama-Uma Voz Pela Liberdade",que foi vista pelo Brasil inteiro e você se destaca devido a sua atuação,como foi essa conquista para você?


Resposta:Eu faço sim,o espetáculo Luiz Gama-Uma Voz Pela Liberdade.Estou à 5 anos em cartaz viajando por várias cidades do Brasil e vamos viajar mais ainda.Essa oportunidade eu coloquei para mim mesmo, através de um desafio feito por um amigo o Dr Humberto Adami,do Santo Júnior,que é presidente da Comissão Nacional da Verdade da Escravidão Negra no Brasil,em 2015.Ele me sugeriu que eu escrevesse  uma peça  sobre esse herói tão importante brasileiro e patrono da abolição.Escrito no livro "Os Heróis da Pátria",ex escravo que se tornou o maior advogado dos escravos no Brasil.

Desse homem a gente precisa sempre falar da sua história e da sua contribuição pela luta da libertação dos escravos no Brasil,e da sua luta pela justiça,pela liberdade,pela democracia e pela igualdade de direitos.

No final das contas eu coloquei esta oportunidade  para mim mesmo.É uma missão de vida e tem sido assim.E acho que a gente tem que buscar os nossos caminhos e o amadurecimento nos leva a isso. 

E neste momento eu me encontro com amadurecimento   pessoal, artístico e profissional.Pretendo estar com o espetáculo pela vida inteira falando sobre o Luiz Gama,para o Brasil e o mundo.


(Divulgação)

6) Atualmente,vc está com a peça "O Anjo Negro",como está sendo atuar em época de pandemia mundial?


Resposta:Eu estou fazendo  "O Anjo Negro", direção de Antônio Quinet.Eu faço um dos protagonistas,o Ismael,e tem sido uma experiência muito enriquecedora trabalhar neste momento de pandemia em casa virtualmente.A apresentação vai ser virtual.É uma forma da gente se reinventar e estamos nos reinventando e resistindo a este momento de tanta dificuldade por conta desta pandemia terrível. Especialmente no Brasil em que a gente vive, infelizmente ,há uma negação de direitos e da própria vida,através deste sistema governamental estabelecido.Existe uma desvalorização da cultura,da educação,dos direitos humanos,da arte,e do próprio artista.

Mas a gente consegue felizmente através deste meio  virtual, online fazer o nosso trabalho de forma de não deixar morrer nossos sonhos ,nossos ideais,nossa preocupação da cidade,nossa preocupação coletiva com questões importantes deste país com a própria educação ,a própria cultura e a própria politização do nosso povo.

É um dado importante sobre este trabalho "O Anjo Negro",que  trata da questão racial  do combate ao racismo,da luta pela identidade racial,da luta pelos direitos ,da luta pela vida,da luta pela justiça e 

pela dignidade.


7)Me conte sobre o personagem da peça "O Anjo Negro"?


Resposta:O personagem Ismael do Anjo Negro, é um homem que tem um conflito muito grande com relação a sua própria identidade,a não aceitação da sua própria cor negra,da sua raça.E ele sofre ao mesmo tempo com isso porque não consegue lidar com a sua própria identidade.É uma tragédia e ele é vítima da sua própria consciência,ele é vítima de si mesmo.É um personagem muito rico psicologicamente, 

é um tema que é abordado na peça ,e é necessário de ser discutido no momento em que a gente vive no Brasil e no mundo.

Esta questão racial terrível de  discriminação a gente tá trabalhando,combatendo e trazendo está consciência da mesma forma em liberdade para falar isso.

Quando eu respondi sobre o Luiz Gama,a peça teatral que conta a história do Luiz Gama,como tal ,qual ela foi,trazendo uma contextualização para os dias de  hoje,levando para a plateia instantâneamente a perceber e a constatar mais uma vez que os problemas raciais,da desigualdade racial, social,e do preconceito,que permanece infelizmente,até hoje,e que temos que levantar isso,para que mudemos todos juntos essa realidade.


8)Você retornou a fazer novelas na Rede Globo,e atualmente você está na novela "Salve-se Quem Puder",me fale como está sendo o seu crescimento do personagem na novela?


Resposta:Eu voltei a fazer novelas na Rede Globo depois de anos,fiz o Outro Lado do Paraíso,em 2018,agora em 2020, faço Salve-se Quem Puder.E é  surpreendente é uma participação ainda que está  se estendendo.A novela encurtou,mas o meu personagem mesmo nesta pandemia continua na trama,o que me deixa muito feliz,ele tem uma importância de dentro da trama do personagem do Felipe Simas.E tenho gravado e espero continuar gravando,e espero que esse meu personagem se desenvolva mais na trama .Aliás, todo ator quer isso,estar presente mais na trama com o seu personagem.


9)A pandemia atrapalhou um pouco as gravações,como você lidou com essa parada repentina por causa da pandemia do coronavírus?


Resposta: À pandemia atrapalhou totalmente as gravações,o isolamento social foi necessário,e é necessário, não é uma gripezinha,a gente tem que levar isso a sério.Infelizmente,as coisas têm aumentado depois de uma melhora,mas não podemos ignorar,existe esta doença e a gente tem que se preservar,todos nós, do Brasil e do mundo.

Mas atrapalhou sim,tanto que todos os protocolos da Rede Globo, estão sendo obedecidos e,isso compromete também o ritmo da evolução dos capítulos,tudo por conta destes cuidados.É mais lento,demora mais tempo para gravar.A gente usa máscaras e tem um distanciamento físico ali obedecido, então demora,porém tudo está sendo caprichado,e isso é muito importante frisar,a gente passa mais tempo inclusive para aprimorar o nosso trabalho é desenvolver da melhor forma.Mas a expectativa é que a gente quer que tudo isso passe para que tudo volte com todo gás,ainda com todos os cuidados.


10)Você conquistou muito o seu espaço por ser um grande ator, existe algum papel  ou alguma realização que você ainda não realizou?


Resposta:Poxa, muito obrigado pelo elogio,fico muito feliz e agradecido,por ser considerado por você e me elogiar como um grande ator.Eu dedico a minha vida a isso, então em ter esse reconhecimento 

é maravilhoso e fantástico. Reconhecimento de uma vida dedicada a arte,a arte de interpretar no meu caso, então isso só me deixa feliz.Eu quero fazer qualquer papel que seja rico psicologicamente e que tenha uma importância na trama,e isso importante pra mim,e que eu venha a me desenvolver como todos os outros atores e atrizes negras, papéis que  não sejam somente subalternos,e que tenha importância na história,e que tenha a sua própria história de dentro da trama,tenha seu cenário e sua família,que possa me desenvolver como qualquer outro, independente de 

minha cor,das nossas cores.Mas eu tenho lógico personagens que adoro,o "Shakespeare"por exemplo.

Tem o Otelo que eu quero fazer,assim como eu quero fazer o Ricardo III, e a Macbeth.Quero fazer personagens incríveis.Eu fiz inclusive e tenho dado muita importância a isso.

O Ricardo Torres,diretor de "Luiz Gama-Uma Voz Pela Liberdade",me ajudou muito na narrativa,na construção do espetáculo e no texto do espetáculo.

E me chamou e fiz vários trabalhos com ele, inclusive,protagonizando,e já protagonizei a peça de Maquiavel,a" Mandrágora".E eu era um dos protagonistas masculino,e espero que seja sempre assim,da gente ser chamado para fazer os personagens.

Aliás,que sejam sempre chamados para fazerem os nossos personagens,sem observarem a nossa cor,e sem nos discriminarem,nós atores negros e negras.Que podemos fazer ,então,qualquer personagem independente da cor,e eu quero fazer qualquer personagem,desde que seja importante na trama e que tenha a sua própria história e que tenha a sua família e seu cenário.

11)Você possui algum projeto de cinema?


Resposta: Projeto de cinema,tenho projeto para desenvolver,mas não posso revelar agora,e tem até um aqui que vou citar,vou lembrar o nome,e já te falo.Mas não é meu eu fui chamado para fazer,entendeu? Projeto 

próprio de cinema não,mas adoraria estar fazendo mais cinema e de ter feito mais cinema até aqui.Porque o cinema é a arte que imortaliza,e é maravilhoso, é outra linguagem que me fascina também.Quanto mais trabalho de dentro da minha área,diversificados em linguagens 

diferentes,melhor!

Há! Lembrei do filme "O Passado Tem Boa Memória", direção do Márcio Coutinho, não tô me lembrando o nome da autora, é um curta pra fazer uma participação especial.




Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem