TOP TV WEB

Um ano de pandemia: é urgente agir para evitar mais sofrimento

   Um ano de pandemia: é urgente agir para evitar mais sofrimento

(Ana de Lemos-Diretora executiva de MSF-Brasil-Divulgação)

Mesmo para uma organização como Médicos Sem Fronteiras, que tem no combate a epidemias uma de suas tarefas centrais, a pandemia de COVID-19, declarada há exatamente um ano pela Organização Mundial da Saúde (OMS), representa um desafio sem precedentes.

No último ano, MSF tem respondido a uma demanda incessante por recursos materiais e humanos e buscado estar presente nos lugares onde as carências são mais urgentes. No Brasil, a necessidade por cuidados entre a população mais vulnerável ficou clara rapidamente, e começamos a atuar no país no começo de abril. Desde então, colocamos em marcha a maior resposta médica já realizada desde o início de nossas atividades no país, no começo dos anos 90.

Centenas de trabalhadores humanitários de nossa organização têm atuado na resposta à COVID no Brasil. Muitos deles são brasileiros, uma parte com grande experiência internacional em projetos de MSF, tendo a responsabilidade de trabalhar pela primeira vez em seu próprio país. Outros vieram de diversos países e já trouxeram a experiência de ter enfrentado antes o novo coronavírus em lugares como Europa, EUA ou Iêmen.

Começamos o nosso trabalho com pessoas em situação de rua em São Paulo e logo depois no Rio de Janeiro. Atendemos a populações migrantes, indígenas e pessoas privadas de liberdade. Estivemos presentes também nos estados de Roraima, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás e neste ano continuamos a atuar no Amazonas e em Roraima para mitigar os impactos da doença sobre os sistemas de saúde locais.   

Temos que admitir, entretanto, que o desafio que o Brasil vive hoje e continuará enfrentando ao menos pelas próximas semanas é simplesmente sem precedentes. Se em março do ano passado, quando havia menos de 300 mortos no total e cerca de 6 mil casos, os números já pareciam preocupantes, o que vemos agora é um quadro desolador: já ultrapassamos 2 mil mortes e mais de 70 mil novas infecções notificadas em um só dia. O cenário que enfrentamos é de uma epidemia fora de controle, com sistemas de saúde à beira do colapso ou já colapsados na maioria dos Estados brasileiros.

Diante disso, cabe uma reflexão sobre como chegamos até aqui. O Brasil é hoje o epicentro da doença no mundo, com o maior número de mortes diárias. Enquanto somos cerca de 3% da população mundial, atualmente respondemos por 15% dos novos casos. É óbvio que isso não é uma fatalidade.  

Está claro que desde o início da pandemia tem faltado um direcionamento claro e coeso das autoridades em relação a medidas de distanciamento social, interrupção de atividades, uso de máscaras e até mesmo no que diz respeito à vacinação: em muitos momentos foram propagadas mensagens desestimulando a população a vacinar-se e a utilizar máscaras e  investidos recursos públicos para a disseminação de tratamentos sem eficácia contra a doença.

Valorizamos o papel essencial que o SUS (Sistema Único de Saúde) tem tido na resposta à crise sanitária que atravessamos. Observamos a excelência do trabalho e a excelência dos seus profissionais nos locais em que atuamos de maneira conjunta, mas sabemos que o sistema está sendo levado ao seu limite absoluto. Uma amostra disso é que, com a enorme sobrecarga a que estão submetidos, os reflexos sobre a saúde mental de trabalhadores da saúde de todas as especialidades já são evidentes.   

Mesmo diante de um quadro tão difícil, acreditamos que existem maneiras de diminuir o custo em vidas humanas que estamos pagando durante a pandemia.

É possível melhorar as práticas de testagem, adotando em maior escala os testes PCR ou, na ausência deles, testes rápidos de antígeno. Estes testes detectam se a pessoa tem efetivamente o vírus e permitem isolar de maneira mais eficiente quem está doente. Os testes rápidos de anticorpos, muito usados no Brasil, não são adequados em muitos casos, porque uma pessoa pode testar positivo e não ter mais o vírus ativo.

Como a própria vacinação infelizmente teve um início moroso e o prazo até que uma parcela considerável da população esteja imunizada é incerto, é essencial mantermos os cuidados de higiene e as medidas de distanciamento social e uso de máscaras. Além destas ações, que dependem do necessário engajamento de cada um, é preciso a adoção imediata de medidas coletivas que permitam a redução da circulação de pessoas, ao mesmo tempo em que sejam garantidos meios básicos de subsistência aos mais vulneráveis para compensar a interrupção de suas atividades.  Desta forma, diminuiremos agora os contágios que certamente vão causar em pouco tempo um aumento do número de casos que terão de ser acolhidos por um sistema de saúde já extremamente saturado.

Por isso, mais do que nunca, é preciso que todos estejamos unidos em torno das medidas necessárias para evitar uma escalada ainda maior no número de casos e mortes que pode acontecer em poucas semanas. Como organização médica, é nossa obrigação esclarecer que há mortes que são evitáveis. Todos, tanto no nível de decisão individual de cada um, assim como os detentores de poder na esfera pública, não têm mais tempo a perder. É mais do que hora de agir.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem