TOP TV WEB

Com 48h de imersão e 48min de performance, projeto 48h_48min acontece em 17, 18, 24 e 25 de abril

    Com 48h de imersão e 48min de performance, projeto 48h_48min acontece em 17, 18, 24 e 25 de abril

(Divulgação)

O projeto já começou e o público é convidado a participar pelas redes sociais

Há ainda uma convocatória com remuneração para oito artistas ou coletivos de fora de SP que quiserem participar

Com 48 horas prévias de imersão e quatro performances de 48 minutos cada, nos dias 17, 18, 24 e 25 de abril acontecem as transmissões ao vivo da exposição performática 48h_48min: Isadora, o Oráculo e as incertezas.

Serão dois blocos de 48 min por dia, às 16h48 e às 20h48, transmitidos pelo Instagram e pelo YouTube, com os nove artistas criando e interagindo com o público por meio de materiais visuais - vídeos, músicas, textos, fotografias e performance -, enviados pelas redes sociais. Tudo à mercê da profecia do I-Ching e a aleatoriedade de Isadora - programa de manipulação de imagens e sons que atua de maneira randômica.

Cada um dos artistas convida ainda um participante de fora - não necessariamente um artista - para ocupar o seu lugar em uma das performances, seja pela sede do projeto (Casa Amélia, em São Paulo) ou online direto de seus espaços. A ideia é abrir possibilidades para realidades e narrativas distintas, afetar e ser afetado dentro da diversidade, alargando assim os horizontes de ação e criação.

E o projeto já começou! O público é convidado a criar ou documentar a partir das mesmas influências que os artistas do núcleo, entrando para a galeria da exposição e servindo como inspiração ou mote para as 48 horas de imersão. Os trabalhos pré-gravados são automatizados e embaralhados no programa Isadora, a artista artificial do projeto. E o resultado final será documentado e disponibilizado no site do projeto. As interações entre o público e os artistas (via hashtag #48_48) abrem um horizonte infinito de possibilidades e conexões.

A participação do público pretende flertar com o "hackeamento" da superficialidade virtual, tentando ressignificar a atuação nas redes e sem uma curadoria. “Como criar conexão real no espaço não físico? Como criar presença relevante dentro da distância física? Produzindo arte colaborativa e promovendo interações livres ao redor de um centro gravitacional bastante vasto”, comenta Pablo Casella.

(Divulgação)

Convocatória

Os integrantes do projeto selecionarão ainda oito artistas ou coletivos de artistas brasileiros - especialmente pessoas emergentes com marcadores sociais não privilegiados, ou que abordem questões identitárias, de gênero e raciais - que sejam de fora de São Paulo para participar. Os interessados poderão se inscrever entre 6 e 12 de abril pelo link https://projeto48.com/editalexpresso/. No dia 20, os selecionados serão avisados e vão receber uma verba bruta de mil reais e compor a programação da live de encerramento.

Por que 48 horas?

A partir de dispositivos e limitações, a ideia principal é vivenciar momentos de inspiração em possibilidades do tempo real, do agora. Com o pouco tempo de produção, os trabalhos tendem a seguir uma "correnteza do inconsciente", em que elementos passeiam e são processados de forma bastante intuitiva, dando lugar aos rascunhos e às improvisações. A reflexão se volta ao risco, ao acaso e à autenticidade do momento presente.

“O mundo vive hoje uma tempestade sem precedentes. Crise pandêmica,econômica, ambiental, corrosão dos sistemas democráticos e,principalmente, a síndrome da incerteza. Enquanto somos bombardeados por especulações e teorias diversas. Ao mesmo tempo, estamos todos isolados frente às telas de computadores e smartphones. Essa fotografia do mundo atual define os elementos desse projeto”, explica Pablo.

(Divulgação)

Como tudo começou

O projeto nasceu em 2019, quando sete artistas ocuparam a Casa da Luz, no centro de São Paulo, por 48 horas para criar uma exposição performática e documental de 48 min, refletindo sobre o entorno e o interno. Cada artista recebia sua "profecia" em forma de uma tiragem do I Ching (O livro das mutações - oráculo milenar da cultura chinesa), como primeira fonte de inspiração.

O Oráculo

O "oráculo"é a tiragem do I Ching e norteia todo o processo. O I Ching ou "o livro das mutações", é popularmente conhecido como um sistema divinatório de análise das energias presentes e consequente "previsão"do futuro, mas é também utilizado como ferramenta para definir conteúdos de estruturas semióticas como cinema e literatura.

No projeto, ele define o terreno comum, o mutável e o imutável, sem definir resultados e consequências.

Por se tratar de um livro milenar, sua linguagem é muitas vezes conflitante com os dias atuais. Expressões como "o homem superior" e  "feudos" são recorrentes. Por isso, no projeto 48_48, os textos do oráculo recebem releituras e reprocessamentos, sendo desafiado pela contemporaneidade.

(Divulgação)

Isadora

"Isadora"; representa a aleatoriedade, o oceano de possibilidades e impossibilidades ao qual estamos sujeitos no ambiente virtual. O programa de computador vai randomicamente processar, automatizar e alterar um arquivo de imagens alimentado pelos artistas e público, tornando-se assim o "artista artificial"; do projeto, simbolizando a presença impactante dos algoritmos das redes no mundo como o conhecemos hoje.

O projeto conta com o artista visual Ivan Padovani, o artista multimídia Jp Accacio, a artista visual e performer Leticia Kamada, a cantora, produtora musical e performer Ligia Kamada, o músico, compositor e artista visual

Pablo Casella, o músico e produtor musical Pipo Pegoraro, o artista visual,professor e pesquisador Rodrigo Gontijo, a bailarina e musicista Tayna Ibanez e o artista visual e pesquisador Victor Leguy.

As lives têm apoio e patrocínio do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Governo do Estado de São Paulo e Secretaria da Cultura e Economia Criativa de São Paulo por meio do Edital PROAC Expresso Aldir Blanc, com o objetivo de fomentar o acesso à cultura e a economia criativa.

Presença e ausência. Virtualidade, realidade e o espaço físico. Existem fronteiras?

Serviço

48h_48min: Isadora, o Oráculo e as incertezas

Datas: 17, 18, 24 e 25 de abril de 2021

Horários: Às 16h48 e 20h48

Como acessar: Instagram e YouTube

Sobre os artistas:

Ivan Padovani - É formado em Administração pela FAAP e Pós-graduado em Fotografia pela mesma instituição. Paralelo à sua atuação como artista visual, também é professor na Escola Panamericana de Arte e coordenador do Vão, espaço independente de arte voltado para pesquisa, produção e exposições. @ivanpadovani

Jp Accacio - Artista visual, fotógrafo e videomaker que produz trabalhos em fotografia, vídeo,instalação e performance. Sua pesquisa investiga a constituição e o movimento da imagem sob o prisma da construção temporal, espacial e da narrativa, e também as possibilidades de diálogo e coexistência entre linguagens, meios e tecnologias de diferentes períodos. @jp_accacio

Leticia Kamada - artista visual e performer. Como educadora e ativista da educação popular,ministra oficinas voltadas ao desenvolvimento do olhar e à leitura de imagens, desde 1999. Há três anos, no @cursinhopopulartransformacao. Suas performances e imagens são heterotopias da dúvida e dos gestos cotidianos. @leticiakamada

Ligia Kamada - cantora e produtora musical. Vem realizando um trabalho de fruição cultural importante, além de trabalhar em grupos de fortalecimento artístico de mulheres no meio cultural da região do Vale Paraibano, como o GT Mulheres da Cultura SJC. Já foi escolhida uma das cantoras do Cena Delas, projeto do SESC. Integra as bandas Sollo Duo e Baião de Spokens e, em 2021, lança o álbum visual “Povo em Pé”, com as parceiras poetas Clara Baccarin, Piera Schnaider e o poeta arrudA. @ligiakamada

Pablo Casella - Músico, compositor, produtor musical e artista visual. Reside em Gent, Bélgica desde 2008 e navega por diversos projetos multimídia. Trabalha como músico, compositor de trilhas para teatro, vídeos e curta metragens, editor de imagens, criação artística, edição de videoclipes e no universo teatral, com composição e gravação de trilhas sonoras e vídeo-cenários. Atualmente está envolvido nos projetos de teatro "Kill Joy" (compositor) e "Antígone na Amazônia" (músico e ator) da cia NTGent e com os grupos musicais "Témé Tan", "Esinam","NDUGU"; e "Tom, Lien and Pablo". @pcasella78

Pipo Pegoraro – Com três indicações como produtor ao Grammy Latino, Pipo Pegoraro é músico e produtor musical, com quatro álbuns autorais lançados. Nos últimos anos focou seu trabalho na produção musical, colaborando na criação de trabalhos de artistas como Xênia França, Serena Assumpção, Aláfia, Filipe Catto, Beto Montag, Dani Nega, entre outros.@pipopegoraro

Rodrigo Gontijo - artista, pesquisador e professor na Universidade Estadual de Maringá. É Bacharel em Comunicação e Multimeios pela PUC-SP, Mestre e Doutor em Multimeios pelo Instituto de Artes da UNICAMP. Já publicou diversos artigos e capítulos de livros sobre cinema experimental e expandido. Desenvolve projetos de live cinema, instalações, filme-ensaio,documentários. @rodzgontijo

Tayna Ibanez - bailarina e musicista, artista interdisciplinar nascida e criada num bairro periférico de São Paulo. Formada em Artes Cênicas pela Escola Livre de Teatro de Santo André, acumula vivências e pesquisa em Dança Contemporânea, performance e improvisação cênica. Desenvolve o projeto autoral: "FÊMEA". @tayna.ibanez

Victor Leguy - Artista e pesquisador. Bacharel em Desenho Industrial/ Artes Visuais(Mackenzie/São Paulo, 2003), formado no curso de Relações e Linguagens Históricas (USP/São Paulo, 2005/06). Através de processos híbridos de produção, aborda questões relacionadas ao espaço público, a construção da história coletiva, do convívio e cultura visual em contextos socioculturais e políticos específicos. @victorleguy

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem