TOP TV WEB

"O Antropólogo Viajante”

 

Intuição Companhia de Dança apresenta

"O Antropólogo Viajante”

Espetáculo viaja com Charlie, um ambientalista contemporâneo que busca respostas sobre o presente com nossos ancestrais, desde 150 mil anos atrás.


 

cid:image001.jpg@01D78FB1.DDEE6310

Direção e Coreografia: Vinícius Anselmo

Diálogos: Rodrigo Vilalba (Antropólogo/Filósofo)

 

Oito transmissões do espetáculo, formato filme, via Youtube

e oito rodas de conversa através da plataforma Zoom

após as apresentações. Estreia dia 19 de agosto, às 20h.

 

 

Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, apresentam "O Antropólogo Viajante”. A direção e coreografia é de Vinícius Anselmo premiado em importantes festivais nacionais e internacionais de ballet como Tanzolymp (Alemanha), YAGP (Nova York) e Festival de Dança de Joinville (Brasil). Anselmo estudou em Paris, na França, o repertório e construção coreográfica de grandes nomes como Jiri Kilyan, Ohah Naharin, Cristal Pite e Sharon Eyal. A locução é de Rodolfo Dias (Dipa) e os diálogos foram escritos por Rodrigo Vilalba, Doutor em Comunicação e Letras e professor de Teoria da Comunicação, Antropologia Cultural e Filosofia. Vilalba integra o quadro da Intuição Companhia de Dança, formada ainda por professores renomados, musicista e dez bailarinos.

 

“O propósito da companhia é resgatar a beleza e virtuose

de saltos, giros e linhas do ballet clássico em um corpo do século XXI,

com uma nova roupagem de vivência  contemporânea,

abordando temas da atualidade com relevância política e social”

Vinícius Anselmo

 

cid:image002.jpg@01D78FB1.DDEE6310

 

Sobre o espetáculo

As obras da Intuição Companhia de Dança abordam temas atemporais, inerentes a vida, instigando a profunda reflexão sobre os caminhos do psicológico humano. O Antropólogo Viajante parte da constatação de que não fomos a única espécie de hominídeos a habitar o planeta. É provável que nossa espécie coexistiu, em um mesmo período histórico, com mais 4 espécies de Homo. Esse espetáculo conta a narrativa de Charlie, um ambientalista contemporâneo que viaja ao encontro de Lee, Homo erectus, há 150 mil anos, Eloá, Homo neanderthalensis, há 40 mil anos, e Kai, Homo sapiens, há 260 anos (antes da revolução industrial), levando, em sua mala de viagem, uma máscara e um relógio. Nessa jornada fantasiosa, onde as fronteiras do tempo e da comunicação são magicamente superadas, acontecem diálogos instigantes entre eles os que Charlie pergunta aos seus parentes evolutivos:

·        O que foi desaprendido na história que fez com que a espécie humana chegasse ao ponto de ter que usar uma máscara para respirar e um relógio para enquadrar o tempo?

·         O que tornou o Homo sapiens mais adaptável ao meio ambiente, mas, paradoxalmente, levou a raça humana a um mundo artificial, desconectado da natureza e beirando sua própria extinção?

 

O Antropólogo Viajante será apresentado em formato de filme, via Youtube, com estreia no dia 19 de agosto, às 20h. Após cada uma das 8 apresentações haverá uma roda de conversa via zoom

 

cid:image003.jpg@01D78FB1.DDEE6310

 

Serviço

Diretor/Coreógrafo: Vinícius Anselmo

Diálogos escritos pelo Antropólogo/Filósofo: Rodrigo Vilalba

Locução: Rodolfo Dias (Dipa)

Bailarinos: Alessandro Mesquita, Felipe Guedes, Jeison Lopes, Heloisa Magalhães, Márcio Vittorino, Mariana Massonetto, Tayanne Zandonato, Thalita Falk e Vinícius Anselmo

Figurino: Felipe Guedes

Cronograma de apresentações:

·        19 de agosto: quinta, às 20h

·        20 de agosto, sexta, às 20h

·        21 de agosto, sábado, às 20h

·        22 de agosto, domingo, às 18h

·        26 de agosto, quinta, às 20h

·        27 de agosto, sexta, às 20h

·        28 de agosto, sábado, às 20h

·        29 de agosto, domingo, às 18h

Link para as apresentações:

https://www.youtube.com/channel/UCYC0kN7ftbGArUhFdfCGjhg/featured

Link para as rodas de conversa

https://www.youtube.com/watch?v=CfpphkmM2ug

https://www.youtube.com/watch?v=qQWrQkdu5ME

https://www.youtube.com/watch?v=fcCvdy3EDDo

 

Link para as fotos de Arnaldo Torres:

https://drive.google.com/drive/folders/1tHupSIKN-GfGhWiUs88JBUuMb37H7lWI

 

Iluminador e Cenotécnico: Val Santana e Radson Almeida

Fotógrafo: Arnaldo Torres

Assistente de Direção: Ana Beatriz Farias

Diretora de Marketing: Nathália Urizzi

Produtora: Palipalan

Filmagem e Edição: Galeria Produções

Este projeto foi contemplado pela Proac Lab Expresso - Programa de Ação Cultural São Paulo. Programação Artística Proac Expresso Lei Aldir Blanc 48 /2020 ID 5783 -

https://www.intuicaocia.com.br/

cid:image004.png@01D78FB1.DDEE6310

 

cid:image005.png@01D78FB1.DDEE6310


Vinícius Anselmo

Membro do Conselho Internacional de Dança, sede em Paris na França; Diretor da Escola Ballet Educart em São Paulo; contemplado pelo Programa da Prefeitura Municipal de São Paulo, Fomento à Dança em 2017 e 2018; contratado como primeiro bailarino na companhia Albany Berkshire nos Estados Unidos. Integrou as companhias: Ballet Stagium e StacattoSP em São Paulo; Convidado para compor a banca de jurados do Festival Urizzi Dance; Convidado para compor a Comissão de Especialistas de seleção de trabalhos no Festival de Dança do Triângulo em Uberlândia.


Realizou Cursos de aperfeiçoamento em Braodway Center, Steps on Boadway, Central Arts e Peridance em Nova York; Coreógrafo premiado em importantes festivais nacionais e internacionais como Tanzolymp (Alemanha), YAGP (Nova York) e Festival de Dança de Joinville (Brasil); Convidado a compor a banca de exames Escola de Dança do Theatro Municipal de São Paulo.


Teve seu trabalho ‘Eu Digital’ premiado e escolhido para se apresentar na noite de Gala em Berlim na Alemanha, Theater des Westens, dividindo o palco com grandes companhias como Staatsballett Berlin e Teatro Mariinsky; Estudou em Paris na França o repertório e construção coreográfica de grandes nomes como Jiri Kilyan, Ohah Naharin, Cristal Pite e Sharon Eyal.

https://static.wixstatic.com/media/2ee280_7d3244e8428c439cbe9d2d52789ce671~mv2.jpg/v1/crop/x_22,y_0,w_481,h_640/fill/w_106,h_141,al_c,q_80,usm_0.66_1.00_0.01/2ee280_7d3244e8428c439cbe9d2d52789ce671~mv2.webp

cid:image010.png@01D78FB1.DDEE6310


Rodrigo Vilalba 

Doutor em Comunicação e Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Autor do livro "Teoria da Comunicação", da editora Ática. Professor de Teoria da Comunicação, Antropologia Cultural e Filosofia com passagens pela FMU e Belas Artes.


Atualmente integrando o quadro docente do Istituto Europeo di Design. Professor convidado de Análise do Discurso nos programas de Letras do Mackenzie e da PUC-SP. Palestrante nas áreas de comunicação, filosofia e cultura.

 

cid:image011.jpg@01D78FB1.DDEE6310


Sobre a Intuição Companhia de Ballet


A dança é construída de ‘dentro para fora’, os bailarinos são estimulados a vasculhar os caminhos do labirinto interno, escutando seu próprio corpo, encontrando o prazer no ato de se movimentar e o senso de humor no movimento. A beleza estética é consequência desses acessos de verdades individuais. 


O propósito da companhia é resgatar a beleza e virtuose de saltos, giros e linhas do ballet clássico em um corpo do século XXI, com uma nova roupagem de vivência e bagagem da dança contemporânea, nesse contexto a pesquisa corporal inclui sincronismo aplicado em movimentos com desarticulação, quebra de linha de rigidez, técnica de chão, dentro de um padrão de continuidade anatômica, as sapatilhas de ponta se tornam instrumento da dança contemporânea. 


A companhia busca o aprimoramento dos instintos e sentidos dando liberdade à identidade dos bailarinos. As obras abordam temas atemporais inerentes a vida instigando a profunda reflexão sobre os caminhos do psicológico humano.  Resgatar as faculdades instintivas da mente, trazer de volta as capacidades intuitivas que se norteiam pelo estimulo e apuramento das sensações. 


A linha reta, clara e racional é deixada em segundo plano, o intuito é estimular a criatividade e o imaginário, a proposta de movimento do coreógrafo não é criar a linha exata de passagens do corpo, mas sim um ‘roteiro de movimento’ no qual cada indivíduo tenha espaço para trazer sua identidade e sensações do momento presente da dança.  





Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem